27 março 2007

Rede de esgotos de S. Brás de Alportel

Impasse arrasta-se, obras paradas.

O concelho de São Brás de Alportel já devia estar ligado, há quase um ano, ao sistema multimunicipal de tratamento de esgotos. Mas a conclusão da rede tem esbarrado na falta de autorização da Estradas de Portugal para o atravessamento de três rodovias.

“Os esgotos deviam ter sido ligados ao sistema multimunicipal antes do Verão de 2006, passando a ser tratados na ETAR de Faro ”, referiu ao CM o presidente da autarquia de São Brás de Alportel, António Eusébio.

O processo sofreu um primeiro atraso com “a indefinição de se saber se o município de Faro aderia ou não ao sistema multimunicipal”. Resolvido este problema (com a adesão), tudo parecia bem encaminhado para que a ligação se efectuasse.

Só que para a rede chegar a Faro tem de atravessar três estradas nacionais – EN2, EN125 e Via do Infante. A concretização da obra, da responsabilidade da Águas do Algarve (que gere o sistema multimunicipal) implica a prévia autorização da Estradas de Portugal – o que “tarda em acontecer”.

Perante o impasse, António Eusébio – que quer ver o problema resolvido “até ao Verão” – solicitou uma reunião ao Governo.

O autarca adiantou que, entretanto, surgiram informações por parte da Águas do Algarve de que a solução do caso poderá estar para breve.

Enquanto isso não acontece, os esgotos continuarão a ser encaminhados para três ETAR existentes no concelho, as quais efectuam apenas o tratamento secundário e estão subdimensionadas para as necessidades.

Deficiências que geram maus cheiros e alguma poluição nas ribeiras de Alportel e Machados.

8 comentários:

Cusco disse...

Não tem nada a ver com o assunto mas pode interessar:




Regulamento do Concurso de Jogos Florais






Os participantes ao apresentar os seus trabalhos, ficam sujeitos ao seguinte regulamento:

1. Podem participar poetas populares independentemente do sexo ou idade;

2. O tema é “O Cortejo das Tochas Floridas”. As tochas floridas são o símbolo de uma tradição são-brasense, vivida sempre com alegria ao longo de várias gerações. Esta tradição festeja a secular Procissão de Aleluia, onde os andores dão lugar às flores que ornamentam as magníficas tochas;

3. As formas poéticas a concurso são: quadra popular, poema subordinado ao mote e poesia livre;

4. Cada participante pode enviar um máximo de três trabalhos para cada forma poética;

5. Cada trabalho deve ser dactilografado e apresentado em folha A4;

6. Todos os trabalhos devem ser assinados com pseudónimo. Dentro do sobrescrito com o trabalho a concurso, cada candidato deverá incluir outro envelope fechado com a identificação do autor, morada e contacto telefónico;


7. Os trabalhos deverão dar entrada na Associação Cultural Sambrasense, ou na Biblioteca Municipal – Dr. Manuel Francisco do Estanco Louro, até ao dia 29 de Março.


Associação Cultural Sambrasense Biblioteca Municipal
Rua da Calçadinha Romana, 6 “Dr. Manuel Francisco do Estanco Louro”
Apartado192 ou Rua Dr. Vitorino Passos Pinto, 18
8150 - 126 S. Brás de Alportel 8150 - 149 S. Brás de Alportel


8. Os trabalhos serão avaliados por um júri constituído por sete pessoas (1 representante da Associação Cultural Sambrasense; 1 representante da Paroquia de S. Brás de Alportel; 3 professores de diferentes níveis de ensino; 1 representante da Biblioteca Municipal; 1 representante da Câmara Municipal);

9. Caberá ao júri decidir sobre os casos omissos neste Regulamento;


10. Das decisões do júri não haverá recurso;

11. A divulgação dos trabalhos premiados e a respectiva entrega dos prémios serão feitas na Tarde Cultural da Festa das Tochas Floridas, no Domingo de Páscoa;


12. Os trabalhos apresentados ficarão propriedade da entidade organizadora, podendo ser utilizados ou publicados salvaguardando sempre a referência ao respectivo autor;

13. Os trabalhos premiados estarão expostos na Biblioteca Municipal, desde o dia 8 a 22 de Abril;


14. A quadra vencedora de cada ano será o mote para o ano seguinte;

15. O mote para este ano é o seguinte:


Surgem mil tochas em flor,
É como se o céu se abrisse
Para se ouvir, num louvor,
- Ressuscitou como disse!


Autor: Glória Marreiros

Jose Arcádio disse...

Ora um bom tema para os comentadores do blog treinarem a escrita....!

Anónimo disse...

Alguem me sabe dizere quem éi este Cusco?
Eu acho que eó J.M.Dias!!!

Anónimo disse...

O Eusébio promete muito mas nada cumpre...já cheira mal!

Anónimo disse...

a Águas do Algarve está a rever os estudo efectuados para inserir o sistema municipal de drenagem de águas residuais no sistema multimunicipal e sabem porquê????

O dimensionamento feito anteriormente não comporta os volumes de matéria orgânica que estão, neste momneto, a ser drenados pela rede municipal existindo valores anómalos numa zona bem localizada perto do centro da vila.

Sabem onde????? Adivinhem!!!!!

Junto do ramal de descarga da Câmara!!!!!! sobretudo vem dos pisos superiores......

Anónimo disse...

A capacidade negocial do nosso presidente junto de outras entidades é notável.........

Este caso é um paradigma disso mesmo........

Anónimo disse...

A poluição é mais que muita na ribeira dos Machados, sei do que falo porque moro nos Machados... Pago, incluido na factura da Àgua uma taxa para os esgotos. Pergunto eu que esgotos se quando construi a casa tive que fazer uma fossa????
Além de que o mau cheiro, a poluição e os mosquitos são uma constante!Enfim, não me apetece escrever mais pois tudo isto me mete nojo!

Anónimo disse...

hummmm....
este assunto já cheira mal........